Brasil precisa destravar infraestrutura para receber investimento externo, diz Abílio Diniz.

23-11-2016 08:42

Em reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o chamado Conselhão, no Palácio do Planalto, Diniz destacou que as empresas e as famílias estão endividadas e não há como promover o crescimento do país via consumo.

O Brasil precisa destravar o projetos em infraestrutura para atrair investimento externo, afirmou nesta segunda-feira o presidente do conselho de administração da BRF Foods, Abílio Diniz. 

Em reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o chamado Conselhão, no Palácio do Planalto, Diniz destacou que as empresas e as famílias estão endividadas e não há como promover o crescimento do país via consumo.

O empresário também afirmou que as previsões para o desempenho da economia brasileira são muito ruins e que não imagina que o País crescerá em 2017.

"A previsão é muito ruim. Não podemos imaginar que vamos chegar a 2017 com crescimento", disse ele, um dos maiores acionistas do grupo BRF.

Diniz defendeu a realização de reformas estruturantes no País, citando em especial a necessidade de destravar investimentos em infraestrutura e de unificar as alíquotas do ICMS, com o fim da guerra fiscal entre os Estados.

Segundo ele, não será possível mais "fazer crescimento" com base no consumo, pois Estado e famílias estão endividadas. "Não há investimento e Estado não tem condição de investir", comentou. Para o empresário, é preciso parar de reclamar do governo e do que o poder púbico pode fazer pelas pessoas e pensar no que a população pode fazer para ajudar o governo a tirar o Brasil da crise. "Temos que largar isso de lado e penar: o que podemos fazer para ajudar", afirmou. Ele disse que os investidores estão sequiosos para investir no Brasil, mas é preciso aprovar essas reformas estruturantes.

Diniz elogiou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que cria um teto para o crescimento dos gastos públicos da União por 20 anos e a reforma da previdência, que deve ser enviada pelo governo ao Congresso Nacional em dezembro deste ano. E, ainda, o trabalho do Banco Central para ajudar na queda da inflação.

Fonte: Época Negócios / Usuport - Adaptado pelo Site da Logística.

 

Voltar